• Paulo Godoy

A cachaça conquista seu lugar no Brasil imperial.

Atualizado: 21 de Out de 2020


Apesar das técnicas de produção de aguardente já serem dominadas na colônia e da bebida já ser produzida em pequenas quantidades tanto em terras europeias como no Brasil, a produção de açúcar ainda era muito mais rentável. Assim como ficava mais barato trazer a bagaceira de Portugal. Os portugueses não queriam desperdiçar a cana destinada à produção do "Ouro branco" fazendo aguardente.



O processo de fermentação já era conhecido desde os antigos egípcios que produziam cerveja e vinho. O processo de destilação por sua vez já era dominado pelos alquimistas europeus desde as primeiras cruzadas (por volta de 750 A.C). O processo de destilação fracionada foi desenvolvido pelo farmacêutico e químico árabe Geber Abu Musi Jabir Ibn Hayan e serviu de base para que o persa Al Razi descobrisse o etanol que por sua vez deu origem à aguardente que em latin "acqua-ardens" significa água que pega fogo.


Com declínio da produção açucareira e com a concorrência das Antilhas, do Caribe e do Haiti, além do aperfeiçoamento da extração de açúcar de beterraba na Europa, a cachaça passou a ganhar importância econômica, principalmente no comércio escravagista onde era utilizada como moeda de troca para a compra de escravos.


Com o aumento da produção de aguardente as técnicas foram se desenvolvendo e a cachaça, cujo consumo era antes limitado aos escravos e trabalhadores braçais das fazendas começou a cair no gosto popular chegando à casa grande. Consumida em festas populares e banquetes, a bebida começou a ganhar fama, causando incômodo à coroa portuguesa pois concorria com a bagaceira e com os vinhos do reino.



Por volta de 1819 a cachaça já era o principal produto agrícola do país e contribuía significativamente com impostos que beneficiavam Portugal. Apesar disso, em 1847, uma carta régia proibiu a produção e o comércio da aguardente de cana de açúcar em todo o reino e suas colônias, vindo a culminar no episódio que ficou conhecido como a Revolta da Cachaça quando, em 1860, senhores de engenho do Rio de Janeiro uniram-se e marcharam contra o prédio da Câmara derrubando o então governador Salvador Correa de Sá e Benevides.


A revolta durou até 06 de abril de 1861 quando os revoltosos foram atacados por tropas imperiais vindas da Bahia e pelas tropas de Salvador Correa de Sá vindas do litoral sul. Apesar da derrota em 13 de setembro de 1861 a produção foi liberada por um novo decreto e este dia, desde 2010, passou a ser comemorado como o Dia Nacional da Cachaça.




Ganhando cada vez mais espaço na economia e principalmente na cultura brasileira a cachaça passa a participar ativamente de diversos acontecimentos importantes como a inconfidência mineira; a proclamação da independência em que D. Pedro em sinal de afirmação aos valores brasileiros ergueu um brinde com cachaça. Na semana de arte moderna de 1922 a cachaça era a bebida que regava os debates e as festas promovidas na casa de Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral e culminaria com Mario de Andrade escrevendo o texto intitulado "Os Eufemismos da Cachaça", no qual enaltece a bebida como símbolo da cultura e da afirmação nacional.


Entre outros momentos mais atuais podemos citar sua participação no ano França Brasil (2006) em que a cachaça teve um grande destaque, tendo a caipirinha se tornado "a" bebida do verão europeu. Mais recentemente o reconhecimento da cachaça pelo governo americano como bebida tipicamente brasileira, o que abre as portas dos EUA para a bebida que antes era exportada como "Braziliam Rum".



Agora que já contamos a história da cachaça no Brasil estamos prontos para discorrer sobre os vários tópicos que envolvem sua situação atual. Até nosso próximo post.


Paulo Godoy





17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo